Telefone: (11) 3888-1414

Rua Vergueiro Ver Localização

5 ago

Presidente da Sincor-SP fala sobre bom momento para empreender na categoria

sincor 300x300 Presidente da Sincor SP fala sobre bom momento para empreender na categoria

O presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo, trouxe uma mensagem otimista aos corretores de seguros paulistas durante sua participação em almoço do CVG-SP, realizado na última terça-feira, 29 de julho, no Terraço Itália, em São Paulo (SP). Recebido por Dilmo B. Moreira, presidente da entidade, Camillo explicou por que o empreendedorismo da categoria é a meta principal de sua gestão, iniciada em maio. “Ao contrário do país, que passa por um período de letargia, o mercado de seguros se mantém em crescimento. Como líder de uma categoria que responde por metade do faturamento do setor, entendo que cabe ao Sincor-SP conduzir o corretor a extrair mais desse bom momento para o seu negócio”, disse.

A julgar pela forma democrática como foi conduzida a disputa eleitoral ao Sincor-SP, o novo presidente está convencido de que os corretores paulistas já atingiram maturidade profissional suficiente para se assumirem como empreendedores. “O Sincor-SP é um sindicato patronal e todos os corretores que participam dele são empresários. Por isso, insistimos em criar essa consciência comum entre os corretores, que devem se ver como empreendedores e atuar, produzir e se capacitar no âmbito do empreendedorismo”, disse.

Outro desafio de Camillo será desmitificar o conceito de futuro apocalíptico já impregnado na categoria. “Será que vai existir a venda direta? Será que vão proliferar os sites agregadores de preço? Será que as pontocom vão tomar conta do mercado? Não há como se desenvolver em meio a tantas ameaças de que o negocio vai acabar. O risco existe, mas não pode ser uma constante ameaça”, disse.

Na avaliação do presidente do Sincor-SP, para “quebrar o manto das ameaças” a categoria precisa se conscientizar do valor de sua atividade e entender que o seu canal já está consolidado. “O corretor não realiza apenas a venda, mas a aproximação com o cliente, o acompanhamento e a mediação de conflitos, evitando que muitos casos cheguem ao jurídico das seguradoras“, disse.

Frentes de trabalho

No intuito de valorização profissional dos corretores, a atual gestão do Sincor-SP optou por três principais frentes de trabalho: aproximação com órgãos e representantes do Poder Público; parceria com entidades e órgãos de outras áreas; e maior contato com a mídia em geral, para atingir o consumidor final. “Este é um ciclo virtuoso que visa retirar o Sincor-SP do isolamento”, disse. Uma das ações nesse sentido foi a parceria com o Sebrae-SP e a aproximação com o Sescon-SP, órgão que representa os contabilistas.

No âmbito do Poder Público, Camillo relatou seus contatos com o ministro da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, e com o vice-presidente da República, Michel Temer, para tratar de uma questão pontual, que é a sanção presidencial da tabela 3 do Simples Nacional para a categoria. Segundo ele, um dos argumentos que poderão pesar na decisão da presidente Dilma Rousseff está no estudo da Fenacor, que identificou apenas 2% dos corretores fora do regime tributário do Simples Nacional, por atingirem faturamento superior a R$ 3,6 milhões.

O estudo apurou que os 2%, em torno de 1,4 mil corretoras, respondem por 75% da arrecadação da categoria junto à Receita Federal. “Portanto, vejo um cenário político propício para a aprovação da tabela 3, atendendo ao clamor de 98%, a maioria dos corretores, que, ao mesmo tempo, representará um impacto na arrecadação da Receita de apenas de 25%”, disse.

Se o Simples Nacional for aprovado nas condições que deseja a categoria, ele entende que haverá mais condições de o corretor avançar rumo ao empreendedorismo. Mas alertou que é preciso manter o foco no negócio. Em sua visão, os corretores precisam entrar num “processo inteligente” de investirem seus recursos no próprio negócio, em vez de empreenderem em outras áreas.

Confirmando a previsão, o CEO da Tempo Assist, Marcos Couto, afirmou que a rentabilidade de corretoras brasileiras é maior que as norte-americanas. Ele se baseou no índice ebitda – sigla de “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization”, que significa “Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização”, em português. “A rentabilidade das corretoras no Brasil é de 30% contra cerca de 20% nos Estados Unidos”, disse.

Formação dos corretores

O presidente do CVG-SP elogiou a iniciativa do Sincor-SP de investir na formação continuada dos corretores de seguros, a qual, a seu ver, é imprescindível aos profissionais do setor diante de tantas novas regras, ajustes de legislação e, principalmente, mudanças em virtude da venda de seguros por meios remotos.

Ele colocou o CVG-SP à disposição do Sincor-SP e destacou a parceria da entidade com os corretores de seguros, que desde junho de 2013 equiparou estes profissionais à condição de associados no valor de inscrição dos cursos. “Esta é a colaboração do CVG-SP para ampliar o acesso da categoria à formação profissional”, disse. Dilmo B. Moreira aproveitou a ocasião para divulgar o novo curso Fundamentos jurídicos aplicados ao seguro de pessoas, que está com inscrições abertas para a formação da segunda turma.

Maria Helena Monteiro, diretora da Funenseg, que compôs a mesa de autoridades, destacou a sinergia entre as entidades. “Reforço a parceria da Escola com o CVG-SP e o Sincor-SP, porque o ensino agrega valor”, disse. Calisto Cardoso de Brito, presidente do Sindicato dos Securitários de São Paulo, que é parceiro do CVG-SP na área de cursos, reconheceu a importância do evento. “É a união em torno de objetivos comuns, porque somos parte do mesmo mercado”, disse.

Próximos eventos

Dilmo B. Moreira fez questão de agradecer a presença e o apoio dos diretores do CVG-SP: Márcio Magnaboschi, vice-presidente; Reinaldo Oliveira, Luiz Macoto e Dora Carvalho, membros da diretoria de Relações com o Mercado; Valmir Mongiat, da diretoria de Seguros; Cláudio Leão, da Comissão Fiscal; e de Joana Barros Salgueiro, da diretoria Administrativa Financeira. Ele também fez menção especial à presença do fundador e conselheiro Paulo de Tarso Meinberg e do presidente do Conselho Consultivo, Osmar Bertacini.

Encerrando o evento, o dirigente entregou a Camillo uma placa como homenagem do CVG-SP. Em seguida, comunicou sobre o próximo evento da entidade, que será realizado no dia 26 de agosto, com a presença do superintendente da Susep, Roberto Westenberger, e adiantou a data da festa de final de ano, que ocorrerá em 14 de novembro, no Espaço Trivento.

Fonte: CVG-SP e Sincor
Texto: Márcia Alves

Dores na coluna podem aumentar no inverno
Confiança e organização são essenciais para sucesso da corretora
Nós cuidamos na sua equipe
Cuidar da saúde da sua empresa é fundamental