Telefone: (11) 3888-1414

Rua Vergueiro Ver Localização

26 mar

Intermédica é vendida à Bain Capital por quase R$ 2 bilhões

intermedica Intermédica é vendida à Bain Capital por quase R$ 2 bilhões

Após receber inúmeras ofertas nos últimos cinco anos, a Intermédica foi 100% vendida para a gestora americana de private equity, Bain Capital por cerca de R$ 2 bilhões, segundo fontes do setor.

O fundador da Intermédica, o médico Paulo Barbanti, deixa a operadora de planos de saúde, uma das maiores do país com 4 milhões de usuários. Em 2012, a operadora fechou com receita de R$ 1,8 bilhão, um aumento de 6,4%. Já o lucro líquido teve queda de 9%, para R$ 50,6 milhões. Além da Intermédica, o grupo conta com uma seguradora, a Notre Dame, voltada ao público de alta renda, e uma operadora de planos dentais.

As negociações começaram em agosto do ano passado e três fundos americanos participaram da reta final do processo: o Texas Pacific Group (TPG), o KKR e a Bain Capital, que fechou a transação no sábado. É o segundo investimento da Bain Capital no Brasil. O primeiro foi a empresa de telemarketing Atento.

O TPG disputou palmo a palmo a operadora de planos de saúde com a Bain Capital. Em 2012, o TPG já havia feito uma proposta com valor semelhante, mas na última hora Barbanti desistiu de vender sua empresa.

A Intermédica era um dos ativos do setor de saúde mais cobiçados pelo mercado. Além dos fundos, o empresário Edson Bueno, fundador da Amil, também chegou a fazer propostas que foram rejeitadas. Barbanti dizia que não tinha interesse em vender sua operadora para concorrentes e se um dia vendesse seria para um fundo de investimento estrangeiro.

A Intermédica sempre gerou grande interesse porque é uma empresa sem dívida. Barbanti sempre teve aversão à empréstimos bancários e controlou à rédeas curtas os custos da operadora. Além disso, tem uma ampla rede própria de clínicas e hospitais que ajudam a manter custos. A operadora, fundada em 1968, foi uma das pioneiras em trabalhar com uma rede verticalizada.

Em 2011, Barbanti chegou a anunciar que planejava abrir o capital da Intermédica, mas poucos meses depois desistiu. Também contratou Glauco Abdalla, sócio da Galeazzi, para reestruturar e modernizar a empresa, mas o executivo permaneceu na casa apenas três a quatro meses.

O motivo de sua saída e de outros executivos, normalmente contratados por quantias elevadas, foi o estilo centralizador de Barbanti e que para muitos interlocutores do setor de saúde nunca deixaria sua operadora.

Porém, do ano passado para cá, Barbanti estava menos presente na companhia, tirando férias e viajando para fora do país, atitudes raras do médico, o que para alguns já era uma sinalização de que ele venderia a empresa.

O setor de fusões e aquisições na área de saúde passou por fases de negociações mais intensas envolvendo grandes companhias líderes desse mercado. Esse é um movimento que reflete a necessidade de as companhias gerarem escala por meio da criação de uma base de usuários maior.

Autor: Beth Koike
Fonte: Valor Econômico

Promoção da Porto Seguro oferece filtro gratuito na troca de óleo
Bradesco Seguros lança Van Vip para atender segurados de automóveis
ANS lança cartilha que orienta consumidores na escolha do plano de saúde
ANS anuncia novos procedimentos para planos de saúde

Sem respostas.

Responder